31 de julho de 2017

E faz hoje 4 anos...

Que fui operada ao coração a primeira vez.
Parece que foi à pouco tempo e já lá vão 4 anos.
Lembro-me que na véspera ao despedir-me dos meus pais desatei a chorar baba e ranho como nunca me tinha acontecido na vida... medo? Receio? Não sei, só sei que foi mais forte do que eu.
No dia da operação entrei no bloco muito séria, houve uma enfermeira que me disse "que olhos tão bonitos M. estas bem?" abanei a cabeça a afirmar que sim e outra vez sem mais nem menos as lágrimas caíram pelo rosto abaixo sem que eu abrisse a minha boca as enfermeiras agarraram-me a mão só me diziam "vai correr tudo bem querida confia em nós" e eu só fui capaz de dizer "eu confio" entramos no bloco e o mundo "apagou-se".
Passados 2/3 dias voltei novamente para ser operada a segunda vez ao coração, mas já não chorei, estava tão dopada da medicação que nem sequer conseguia ter um raciocínio minimo, estava completamente bloqueada.
Tantas recordações, tanto sofrimento, tanta dor mas hoje posso afirmar que valeu a pena tudo o que se passou.

29 de julho de 2017

"Até aos ossos"...


Só consegui encontrar o trailer deste filme aqui .
Vi o filme por curiosidade, sabia do que se tratava, mas a verdade é que não estava à espera que me deixasse no estado que deixou, houve momentos em que dei por mim simplesmente a chorar. 
É um filme muito interessante é a realidade que sabemos que existe mas ao mesmo tempo fazemos questão de não querer saber.
Estas pessoas são doentes e deve de ser muito difícil conviver diariamente e tentar ajuda-las. 
Além de ser um tema forte o filme tem momentos engraçados, que aligeiram um pouco a história.
A história de Ellen é tocante, aliás isto não é só filme ela viveu mesmo problemas destes na sua vida real.
É um filme comovente, mas onde se aprende bastante sobre quem tem a doença e sobre quem tem que conviver com ela. 

27 de julho de 2017

Privilégios para Smart...

Ontem fui ao El Corte Inglês com o meu pai, qual o meu espanto quando no parque de estacionamento encontrei quatro lugares reservados unica e exclusivamente para Smart.
Não vou negar achei a maior das piadas e achei muito interessante e um ato querido terem pensado em tal coisa.
Mas claro como em tudo na vida existem sempre os chicos espertos.
Ora naquele local cabiam quatro smarts, eu ocupei a minha posição mas por exemplo o smart da frente em vez de ocupar um lugar ocupou dois, por estupidez claro.
Pior ainda foi quando vim para o carro e um/uma cromo/a qualquer de seat resolveu ocupar os lugares destinados a smart, ou seja eu saindo só ia ficar um lugar para smart porque o/a artolas do seat ocupou os outros três lugares... ai que vontade que eu tive para lhe deixar um post it no vidro a perguntar se ele/ela não sabiam ler.
Alias esta bem explicito, ora vejam lá.



26 de julho de 2017

E por falar em ciganos...

É só para dizer que eu convivo quase diariamente com 5 tipos de ciganos diferentes.
O A. que foi expulso da clínica de diálise era e é o mais reles de todos, mal educado, porquinho quanto baste e gosta de ameaçar tudo e todos, por acaso a mim nunca o fez sempre me falou com muito respeito, eu acho que ele entendeu bem que eu adoro brincar mas que se tiver que me passar da cabeça e o mandar para o raio que o parta que o fazia, logo comigo o fulano nunca abusou.
A F. 1 que é o poço da falta de educação uma pessoa diz "Olá" e nem uma nem duas... depois dizem que são descriminados eles auto descriminam-se... também é um misto do A. sujinha quanto baste.
O Sr. M. já com uma idade, mas atenção com uma educação e uma limpeza que deixa muita gente a desejar ser igual, admiro o homem, sem qualquer dúvida, pode ser cigano mas ninguém consegue ser melhor do que ele no que respeita a educação e a limpeza. Ainda ontem o encontrei no hospital e como faço sempre que o vejo, fui cumprimenta-lo, não tenho nenhum problema com isso, seja de que raça seja. 
A F.2 outra jovem cigana que teve apenas o enorme azar de ter nascido na raça cigana, a miúda tem um pensamento e uma forma de falar muito à frente, nem parece que vive  num âmbito de família ciganas, é contra todas as tradições e pormenores que a vida cigana assim impõem.
A C. é das auxiliares do hospital, mais competente, profissional e meiga que eu conheço, também é cigana, nunca o escondeu, mas como eu costumo dizer é uma cigana fantástica, adoro a maneira dela ser e a dedicação ao seu trabalho, ela fugiu aos padrões típicos das ciganas, tem um emprego, cumpre horários, trabalha com muita gente e é extremamente competente. 
Como podem ver tudo vai daquilo que cada um é e o que quer para a sua vida.
Convivo com frequência com estas pessoas de raça cigana que acabei de referir e nunca fui maltratada, nem nada do gênero, alias admiro a maior parte deles.
Agora se me vieram falar dos ciganos que me vem tocar à campainha a pedir, dos que de vez em quando me roubam o pão, bem aí a conversa já é diferente.
Não lhes acho a minima piada, sempre que tocam á campainha sou obrigada a passar-me da cabeça então quando me roubam o pão só me dá vontade de lhe enfiar a vassoura pelas costas abaixo.
Odeio quando falam aquela lengalenga que ninguém entende e só quando querem e lhes apetece é que sabem falar o dialecto normal... como isto me enerva.
Lá esta, sejam ciganos, negros, albinos, brancos, cor de rosa, às pintinhas... existe de tudo em todas as raças, por isso não é nada bonito estarmos a julgar todos por igual, se alguns são malandros e não querem nada, existem outros que até têm uma vida normal como muitos de nós.

25 de julho de 2017

Hoje foi dia de cardiologia...

E segundo o senhor doutor, além de estar "com muito bom aspecto" palavras dele, o ecocardiograma que fiz esta tudo dentro dos limites possíveis, as válvulas que foram substituídas estão bem e esta tudo direitinho... ainda bem, fico muito feliz que tudo esteja bem.
Continuo é com as tensões um bocadinho baixas, mas eu já estou habituada e agora como o calor cada vez pior, só tenho que ter um bocadinho mais de cuidado com isso.
Estou muito contente por estar tudo bem no que diz respeito à parte cardíaca.
Agora vou mas é arranjar as minhas coisinhas que daqui a pouco são horas de ir para o tratamento.  

23 de julho de 2017

22 de julho de 2017

Vai ser bonito, vai...

Desde hoje que vou ficar a tomar conta da gata do meu irmão, que ele foi de férias.
Ao almoço desci o andar e fui vê-la, ela bem olhou para mim com aquele ar de desconfiada e eu só lhe dizia "a titi vai ficar com a nina e a nina vai portar-se bem não vai?" e ela só esticava as orelhinhas e olhava para mim muito séria.
Vamos lá ver como vai ser este ano, porque os outros anos tem sido uma ramboia desgraçada. 

21 de julho de 2017

"A vinha do anjo" de Sveva Casati Modignani...


"Longas filas de videiras estendem-se pelas colinas suaves de Borgofranco. Há dois séculos que a família Brugliani é proprietária daquele antigo burgo e das vinhas, tratadas com paciência para delas extrair vinhos preciosos e únicos. Aos 35 anos, Angelica é a herdeira da tradição e do património familiar. Mãe, esposa, empresária de sucesso: tudo parece perfeito na sua vida. Só ela sabe que por detrás daquela fachada se esconde um mundo sombrio, feito de mentiras - as do marido - e de sonhos pueris. Numa noite, em que conduzia a sua moto e sentindo-se dominada pela amargura e pelas lágrimas, Angelica não se apercebe de que o carro à sua frente está a travar. O choque é violento, mas felizmente sem consequências graves, quer para ela, quer para o condutor do automóvel, Tancredi D'Azaro. Angelica não sabe ainda que aquele homem é um dos chefs mais aclamados em todo o mundo. E ambos ignoram que, depois daquele encontro fugaz, o destino voltará a entrelaçar os seus caminhos, suscitando a tentação de um novo começo. É então tempo de fazer escolhas, tendo em conta o peso do passado e as responsabilidades do presente - porque a vida é feita de sonhos e paixões. Vinha do Anjo conta-nos a história envolvente de uma família e de uma tradição milenar, o retrato de uma protagonista fascinante no qual se reveem muitas das mulheres empreendedoras e corajosas que anonimamente constroem as nossas sociedades."

Já á bastante tempo que não lia um livro da Sveva Casati Modignani e a verdade é que a mulher nunca me desilude.
Adorei a história, é muito interessante.
Gostei da história de Angelica mas adorei muito mais a história da vida de Tancredi D'Azaro.
Não vou negar que pensava que a Angelica ia ficar com o Tancredi D'Azaro, mas pronto entendo perfeitamente o ponto de vista da escritora quando explora a parte de refletirmos sobre os problemas da vida e da questão de darmos ou não uma nova oportunidade.
Este livro fala muitas vezes de comida e eu tenho que dizer que em muitos momentos fiquei com fome e com vontade de experimentar aqueles pratos.
Este livro quando chegou ao fim deixou-me com uma sensação de boa disposição e muito bem disposta.
Foi uma história linda... adorei, além de que se lê num instantinho apesar do livro ser grande, sei lá pegou-me o entusiasmo como já não acontecia à algum tempo. 

20 de julho de 2017

Será moda?

Não sei o que se passa por estes lados, mas de à um mês para cá só se houve que fulano e fulana estão separados.
Sejam namorados, casados à pouco tempo e até casos de pessoas com os seus sessenta e tais anos.
Deixa uma pessoa a pensar "será que esta a pegar moda esta coisa de se separarem assim sem mais nem menos?"... eu não sei mas pelo andar das coisas esta a parecer que sim.
Todos sabemos que os relacionamentos e a vida em comum não é um mar de rosas, mas também desistir de tudo assim de repente, leva-me a pensar, ou aconteceu algo de muito grave ou então chegou o momento da saturação e do cansaço... que foi o que aconteceu no meu caso com o meu ex namorado.
Quando são jovens namorados ou casados à pouco tempo, de um certo modo parece normal apesar de ser triste, agora quando são casais assim já bastante antigos deixa uma pessoa um pouco admirada.
É a vida, mas que parece que aqui para os meus lados isso é uma moda, ai isso parece, como eu digo em tom de brincadeira "cuidado que isso apega-se".

18 de julho de 2017

Queria tanto...


Parfois 12.99€

Este porta moedas esta tudo perfeito, cor, tamanho, tudo...


 Parfois 21.99€

Esta  mochila igualmente cor e tamanho também me agradam.

Apesar de achar os preços acessíveis a verdade é que além de ter bastantes carteiras, não me convinha gastar dinheiro nestas coisas, mas conhecendo a minha pessoa como conheço e sendo uma sisma pior que uma doença, um dia destes vou cair em tentação, mas pronto.

17 de julho de 2017

Finalmente...



Estava a ver que não.
Ultimamente tenho visto os episódios anteriores, em forma de relembrar digamos assim.
O meu pai diz que eu vou ficar tola... ah ah ah... que só vejo porcaria... diz ele que não se alapou a ver um episódio comigo, porque se visse ficava viciado, se bem que eu fiquei viciada primeiro com os livros. 

Estou ansiosa, vamos la ver como vai ser a 7ª temporada.

15 de julho de 2017

Em busca de uma cicatriz bonitinha...

Tal como vos contei eu fui operada ao braço a 30/12/2016... embora já tenha sido operada pelo menos três vezes antes desta operação.
As coisas não correram muito bem, ou seja a cicatriz não fechava por causa da prótese que tinham colocado
Na altura criou uma espécie de fibrina e foi preciso limpar muito bem e voltar a cozer.
Acontece que depois de tirar os pontos ainda estava bem pior, com muito mau aspecto e com muita mais fibrina... eu tenho fotografias, era para as colocar, mas são um bocadinho nojentas e eu não quero que ninguém fique impressionado nem indisposto.
Depois limpou-se muito bem a fibrina novamente e resolveu colocar-se o pico, aquele aparelhinho que eu já falei aqui no blog.
A verdade e que os resultados foram bons, mas no local da prótese, continuava sem fechar.
Infelizmente e para meu grande azar a solução foi mesmo tirar a prótese, logo tive que ser novamente operada no dia 07/06/2017.
Confesso que fiquei um bocadinho com medo pois pensei que ia ficar com o braço num estado muito feio, mas a verdade é que depois de tudo o que aconteceu, até fico muito bonitinho como eu costumo dizer.
Ora vejam lá...
É lógico que ao vivo nota-se um bocadinho mais vermelha, mas esta muito bem até.



Sei que tenho que ter certos cuidados e se existe coisa em que eu ando mesmo vocacionada é que fique uma cicatriz minimamente bonita.
Logo tenho colocado estes três produtos que me recomendaram: creme emoliente reparador da barral, bio-oil e o cicalfate da avène e quando vou apanhar sol, coloco protector solar 50+ mineral o meu é da avène também, que é para criar aquela barra protetora para não deixar o sol estragar a cicatriz.
Vou intercalando os cremes e o bio-oil e a verdade é que esta com bom aspecto.
Agora é continuar com os produtos e ver se fica mais disfarçada.



13 de julho de 2017

"The devil's mistress"...




Este filme mostra uma atriz ambiciosa Lída Baarová, interpretado por Tatiana Pauhofova que resolveu seguir os seus sonhos em Berlim antes da segunda guerra mundial. A sua mãe Mrs. Baarová, interpretado por Simona Stasova, apoia totalmente a filha a seguir o sonho de atriz uma vez que ela não o conseguiu fazer, logo projeta todas as suas ambições na filha. Inicialmente Lída Baarová tem uma relação com Gustav Frohlich interpretado por Gedeon Burkhard, um dos atores mais conceituados e conhecidos naquele tempo. Mas tudo leva um enorme volta quando Lída Baarová se torna amante de Joseph Goebbels, interpretado por Karl Markovics o numero um de Hitler. 
Goebbels tem família constituída mas mesmo assim torna-se amante de Lída.

O filme é interessante apesar de ser um pouco grande.
Pessoalmente gostei, fui assim um pouco as "apalpadelas" não fazia minima ideia do que se tratava, mas sinceramente gostei.
Achei muito engraçado os pormenores das roupas e tipo de vida que viviam nesse tempo.
É um bom filme.

12 de julho de 2017

Não tenho culpa de ser assim...

Eu sou uma pessoa inconstante.
Tanto estou bem disposta como de repente fico mal disposta, reconheço isso.
Tem dias que só de olhar para algumas pessoas fico logo indisposta.
Não me culpo por isso, porque se existe gente que é capaz de iluminar os meus dias existem outras que o simples olhar transformam em trevas.
Como estou farta desse tipo de gente.
Como me enche e me cansa o pensamente só o olhar de algumas pessoas.
Tem dias que eu digo para mim mesma que quero ser melhor pessoa, quero ter mais calma, ser mais solidária, mais compreensível, mais humana, mais eu, mas infelizmente não podemos ser assim com toda a gente, porque existem pessoas que abusam do nosso lado bom, pessoas que fazem de tudo para nos deixar indispostas e mal humorados.
Esse tipo de pessoas cansa-me e se existe coisa que eu não preciso na minha vida é delas... quer sejam próximas, quer não me sejam nada.
Eu preciso de gente bem disposta, de bem com a vida, de sorrisos fáceis, de coração cheio e pensamentos alegres, de gente a sério... como tantas pessoas que eu conheço... as outras bem, as outras podem ir andando, agradeço imenso a vossa amabilidade em quererem estragar os meus dias, o meu bom humor ou o meu raro e simples sorriso, não preciso de vocês para nada, nada mesmo.


11 de julho de 2017

"O outro homem e outras histórias" de Bernhard Schlink...


"Parecia que estava tudo dito sobre o passado da Alemanha até que Bernhard Schlink escreveu O LEITOR (publicado pela ASA nesta mesma colecção), que se converteu rapidamente num bestseller mundial. Agora, neste seu novo livro, o autor demonstra-nos que tão-pouco está tudo dito sobre o amor. 
Um casal de Berlim Oriental recorre à traição com o objectivo de salvar o casamento. Um estudante alemão em Nova Iorque apela a meios pouco convencionais para demonstrar o seu amor por uma judia americana. Um ex-progressista aburguesado vive entre os trilhos sinuosos do seu casamento liberal. Em todas as histórias, o amor como atracção e fuga: os desejos reprimidos, os mal-entendidos involuntários, a infidelidade fruto do desespero, a força inexorável dos costumes e o peso da culpa. 
Como nasce e termina o amor, que subterfúgios são usados para iludir e desiludir? Em O OUTRO HOMEM E OUTRAS HISTÓRIAS, Schlink oferece-nos sete histórias de amor em que todos os protagonistas são, de algum modo, vítimas da sua época, uma geração urbana desorientada que cai uma e outra vez nas armadilhas do seu próprio passado."

Este livro contém 7 histórias: "a menina e a lagartixa"; "a infidelidade"; "o outro homem"; "ervilhas tortas"; "a circuncisão"; "o filho"; "a mulher da bomba de gasolina".
Todas as história têm o seu encanto e a sua lição, principalmente uma lição.
Mas aquelas que eu adorei mais foi sem dúvidas "o outro homem", "ervilhas tortas" e "a circuncisão"... foram estas as minhas eleitas.
Adorei a escrita, simples, fácil de entender, sem muitos rodeios e complicações logo faz com que o livro seja lido mais rápido e também é um livro pequeno.
Foi o primeiro livro do Bernhard Schlink que li e gostei imenso, muito interessante. 

7 de julho de 2017

Hoje não estou nos meus dias...

O que se passa eu não sei.
Apenas sei que hoje não em sinto grande coisa.
Estou esquisita.
Dormi mal isso eu sei.
Mas ando o dia toda com uma sensação de irritada sem entender bem o porque.
Não houve nenhuma situação para que isso acontecesse.
Já andei nas limpezas para desanuviar um bocado mas mesmo assim continuo inquieta e nervosa.
A verdade é que não gosto nada de andar assim, não gosto mesmo, mas pronto.

6 de julho de 2017

Para a minha amiga B...

Estes dias quando cheguei ao tratamento... na segunda... estava lá a minha amiga B... que faz tratamentos às segundas, quartas e sextas, logo só faço com ela às segundas... como sempre perguntei se estava tudo bem e conversamos um bocadinho.
Verdade seja que achei que os restantes elementos deste turno estavam todos a olhar para nós, mas confesso que ignorei afinal, para que dar valor a quem não o merece.
Quando a B. entrou um senhor disse-me o seguinte "ando aqui á 4 anos e nunca a vi ter assim uma conversa com ninguém a não ser consigo, alias não sei como se entendem uma vez que ela tem dificuldades em ouvir, mas ela tem um aperto de mão bem firme" eu olhei para o senhor e disse "ora aí esta o problema é que se calhar ela nunca falou com ninguém, porque ninguém fala com ela é simples... e ela tem problemas de audição sim, mas se falarem devagar e com calma ela entende e temos uma conversa normal como qualquer pessoa, como acabou de ver, é preciso é a gente adaptar-se as dificuldades das pessoas e ajuda-las, não apenas arrumar para o canto só por isto ou aquilo" o senhor ficou a olhar para mim e disse "realmente" e todos os outros ficaram a olhar
Eu gosto da B. independentemente dos problemas que ela tenha, adoro o sorriso e a boa onda dela, mesmo nos dias maus aquela miúda tenta não transparecer isso, se não conseguirmos conversar, escrevemos, existem muitas maneiras de comunicar, não apenas conversando, mas da-me a entender que existem pessoas que não se lembram destes pormenores. 
A B. é uma grande mulher não só por tudo o que já passou na vida e é das pessoas naquela clínica por quem eu tenho um carinho e admiração enorme e no que depender de mim eu jamais irei deixar de comunicar com ela, mesmo que chegue o dia em que apenas tenha que escrever eu irei faze-lo, mas jamais deixarei de comunicar com ela só porque sim ou por ela ter este ou aquele problema.

5 de julho de 2017

3 de julho de 2017

E este tempo hein...

Esta horrível... para mim claro que não me dou com o excesso de calor, agora para quem gosta e para quem esta de férias esta ótimo sem qualquer dúvida.
De manha fui ao Porto fazer um exame além de ter demorado mais de 30 minutos a atravessar a ponte, aquele para e arranca estava a dar-me um sono esquisito, só me apetecia fechar os olhos.
Quando lá cheguei a menina disse que o médico estava atrasado nos exames e que supostamente iria atrasar um bocadinho... ai esta noção de um bocadinho desta gente deixa muito a desejar... foram  2 horas de atraso e era só um bocadinho, as tantas lá me levantei e fui perguntar se tinha acontecido alguma coisa e lá levei a resposta tipica "só mais um bocadinho e é a seguir"... e lá foi.
O que vale é que o doutor era muito simpático.
Cheguei a casa mais parecia que tinha levado um banho de mangueira toda transpirada e mais parecia que tinha feito xixi nas calças... isso é impossível, pois eu já não faço xixi à uns valentes anos... lá troquei de roupa, passei o chuveiro e pus um vestido daqueles fininhos de andar em casa, mas daqui a nada lá vou eu outra vez para o calor, pois hoje é dia de tratamento.
Aii que eu não gosto nada deste excesso de calor, nada mesmo.

2 de julho de 2017

"Escritos Secretos" de Sebastian Barry...


"Roseanne McNulty tem perto de cem anos e é a doente mais antiga do hospital de saúde mental de Roscommon. O doutor Grene, o psiquiatra encarregado da avaliação dos pacientes, sente-se intrigado pela história daquela mulher, que passou os últimos sessenta anos da sua vida em instituições psiquiátricas. Enquanto o médico investiga, Roseanne faz uma retrospectiva das suas tragédias e paixões, que vai registando no seu diário secreto, desde a turbulenta infância até ao casamento que lhe prometia a felicidade. Quando o doutor Grene desvenda por fim as circunstâncias da sua chegada ao hospital, é conduzido até um segredo chocante. 

Um livro primorosamente escrito, que narra uma história trágica, fruto da ignorância e mesquinhez, mas ainda assim fortemente marcada pelo amor, pela paixão e pela esperança."


Sem dúvidas nenhumas que é um livro excelente.
Foi dos livros, mais belos, mais humanos e mais tocantes que li.
A história de Roseanne é bela, apesar do seu sofrimento ensina tanto e fez como que me sentisse calma, tranquila e deliciada.
É engraçado como o escritor Sebastian Barry entrelaçou a vida de Roseanne com a do doutor Grene.
Houve um momento no livro em que eu parei de ler, sorri e disse "não pode"... não vos vou contar como é lógico.. mas a verdade é que pode.
Tanta mestria e simplicidade neste livro, um livro fácil de ler, uma história maravilhosa, a sensação que eu tive a maior parte das vezes é que estava lá, que fazia parte daquela história, que a estava a viver de lado, simplesmente adorei.
Recomendo este livro é excelente... maravilhoso.

1 de julho de 2017

Olá Julho...


Sê bem vindo...
Houve alguém que me disse que o mês de Julho deste ano ia ser um mês de pausa e de sossego a nível de saúde, vamos ver se assim é... espero que sim nem que seja apenas que não aconteça nada de mais nesta área.
De resto já sabes é o que eu peço sempre, paz, sossego, calma, sorrisos e um pouquinho de felicidade à mistura.
Ajuda-me a ter um bom mês.
Ajuda-me a ser uma pessoa melhor... em todos os sentidos.
Ajuda-me a ter mais paciência.
Ora Julho ajuda-me em tudo o que me possas ajudar que eu ficarei eternamente grata... confia em mim.
Mais uma vez sê bem vindo.